Vacina contra HPV pode imunizar meninos e meninas e é uma das armas contra o câncer

Confira abaixo a entrevista da Dra. Renata Scatena para o portal News Lab

O vírus atinge cerca de 55% da população brasileira, principalmente jovens, entre 16 a 25 anos e 3 em cada 10 casos de câncer tem o HPV como causa 

O Ministério da Saúde tem como meta vacinar 20,6 milhões de adolescentes, entre 9 a 14 anos, contra o HPV. A campanha, lançada recentemente, é voltada para ambos os sexos, pois, o Papilomavírus Humanos é sexualmente transmissível e infecta pele e mucosas da boca ou das áreas genital e anal provocando verrugas e diferentes tipos de cânceres em homens e mulheres (cólo do útero, anal, pênis, vagina, orofaringe). Segundo o ministério da saúde, cerca de 30% dos tumores provocados por vírus no mundo são causados pelo HPV.

De acordo com a pediatra, Renata Scatena, diretora da Casa Crescer, clínica especializada em imunização, na maioria das vezes, os sintomas do HPV podem, simplesmente, não aparecer ou só surgir meses ou anos após a infecção e isso torna difícil saber quando ocorreu a contaminação. “As consequências podem ser o surgimento das verrugas genitais ou o câncer, dependendo do tipo de HPV envolvido. Os mais associados às verrugas genitais são os tipos 6 e 11 (presentes em 90% dos casos). Já os que mais causam câncer de colo do útero são o 16 e o 18, responsáveis por cerca de 70% das ocorrências”, informa a médica.

A prevenção das doenças causadas pelo HPV depende essencialmente da vacinação e da realização periódica de exames preventivos. “O uso do preservativo ajuda, mas não é 100% eficaz. A vacinação é recomendada para homens e mulheres a partir dos 9 anos de idade, fase em que a resposta às vacinas é muito mais alta e quando ainda não houve contato com o vírus. Mas as pessoas mais velhas e/ou que já foram infectadas também se beneficiam, uma vez que as vacinas contêm mais de um tipo de HPV em sua formulação”, explica a pediatra.

Segundo estudo realizado pelo projeto POP-Brasil no ano passado, a prevalência estimada da doença no Brasil é de 54,3% na faixa etária de 16 a 25 anos. Os dados da pesquisa mostram que 37,6% dos participantes apresentaram HPV de alto risco para o desenvolvimento de câncer. Existem três tipos disponíveis de vacinas desenvolvidas para prevenção contra os principais subtipos do vírus, sendo elas a vacina bivalente e quadrivalente . “A vacinação tem papel determinante na prevenção, pois ela previne vários tipos de cânceres nas mulheres e homens”, relata a médica.

O Brasil é o primeiro país da América do Sul a oferecer a vacina contra o HPV para meninos, incluindo-os dentro de programas nacionais de vacinação. As vacinas no país previnem cerca de 70% dos cânceres do colo útero, 90% câncer anal, 63% do câncer de pênis, 70% dos cânceres de vagina, 72% dos cânceres de orofaringe e 90% das verrugas genitais. Além disso, as vacinas protegem contra o pré-câncer cervical em mulheres de 15 a 26 anos, associadas ao HPV 16/18.