Rinite, sinusite e alergias que pioram no outono

Rinite? Sinusite? O outono traz as alergias e muda sua qualidade de vida?

Se você tem algum desses sintomas, sim:

Acordar espirrando que parece que nunca mais vai parar, passar o dia com o nariz escorrendo, sofrer com a obstrução nasal (e, algumas noites, até roncar, acordando toda a casa), ter coceira na pele, nos olhos e no nariz, sentir falta de ar, além daquela sensação de acordar ainda cansado ou com a cabeça pesada.

 

Preguiça de ler? Assista o vídeo.

 

Essas são as queixas mais comuns de quem tem alergias que se agravam com o tempo seco ou frio ou com as grandes mudanças de temperatura, ao longo do dia. Muitos convivem com esses sintomas diariamente, e até deixam de dar importância, sem perceber o quanto eles consomem sua energia e comprometem o bem-estar.

Hoje em dia, nos preocupamos tanto com nossa alimentação, atividade física e qualidade de sono… Então, por que permitir que esses sintomas façam parte do nosso “normal quando há tratamento? Só quem já deixou o problema para trás sabe o quanto é a melhora pode ser significativa.

Por que se livrar logo dos sintomas?

Reações alérgicas persistentes, sejam na pele ou respiratória (nariz e/ou pulmões) liberam substâncias pró-inflamatórias que acabam contribuindo para um “estresse”do nosso corpo, para o remodelamento dos órgãos afetados, até surgirem as desagradáveis consequências.

O exemplo clássico é aquela criança que tem uma rinite persistente com obstrução nasal e acaba respirando pela boca. A curto prazo, ela tem seu olfato prejudicado. Então, a comida parece que tem menos sabor e ela passa a ter menos interesse pelos alimentos, podendo se tornar bastante seletiva.

A médio prazo, pode ter seu sono prejudicado pela obstrução nasal,  fazendo com  que tenha aquelas olheiras escuras sob os olhos, menos energia para brincar. Pode ainda parecer agitada e com uma personalidade irritada. Isso é resultado de noites mal dormidas.

A longo prazo, podemos ter um aumento do tamanho das amígdalas que crescem pela agressão do ar frio e poluído. Ar que, em condições naturais, deveria estar entrando pelas narinas.  É possível mudar essa história.

Como se livrar dos sintomas?

O controle dos sintomas é muito importante e imprescindível, mas o tratamento deve ser individualizado, pois as causas são diversas.

Os vilões

A poeira e o ácaro são, de longe, os principais causadores de alergias.

Com os novos hábitos, por conta do isolamento social, por exemplo, muita gente deixou de ter uma diarista, responsável pela limpeza. E com isso vai adiando aquela faxina mais pesada e o pó e os ácaros vão se acumulando naqueles pequenos cantos esquecidos. Talvez, por isso, a gente esteja observando uma incidência maior de crises de rinite, neste último ano.

Nossos pets também sofreram com as restrições de circulação. E, por causa disso, nós também.

Eles tiveram a frequência dos passeios ao ar livre e dos banhos nos pet shops reduzida. Isso significa: pets mais ansiosos, se lambendo mais, e maior queda de pêlos pela casa. Com isso, mesmo aqueles cuja rinite estava tranquila, mesmo com o pet há anos na casa, podem começar a sofrer. 

E o que fazer?
O primeiro passo é sempre procurar um especialista. A medicina tem avançado a passos largos, novos e melhores medicamento surgem a cada dia.Por isso, mesmo quem tem a alergia há anos e sempre pensa que: “ah, já sei o que fazer …”. Lembrando: vale uma visita periódica ao seu médico.

Por quê?

Só o especialista consegue detectar se está realmente tudo sob controle ou não, ajustar ou mudar os medicamentos e até sugerir outros tratamentos para quem está cansado de ter que fazer uso diário de medicações para manter sua alergia sob controle, como a “vacina” por exemplo. 

Vacina para alergia

Muito se tem falado da tal vacina pra rinite. Ela é diferente das outras vacinas que você chega na clínica e já está pronta, que vale para praticamente todo mundo… A vacina de alergia é específica para a alergia de cada paciente.
A “vacina pra rinite” ou imunoterapia, no termo médico, é uma modalidade de tatamento que também pode ser aplicada para outras alergias. Ela consiste em dar concentrações e doses crescentes justamente daquilo que o indivíduo tem alergia.

Quanto mais específica a imunoterapia, melhor e mais duradouro o resultado. Mas, justamente, por usarmos o gatilho da crise alérgica daquele paciente, é preciso fazer com um especialista, o médico que estudou a fundo para isso.

Você pode fazer em casa

Antigamente, a imunoterapia era um processo que necessariamente envolvia incômodas injeções subcutâneas, inicialmente, em idas semanais, depois mensais, à clínica. No entanto, hoje há uma opção que pode ser bem mais simples: é possível, em muitos casos, fazer o mesmo tratamento com gotas debaixo da língua em sua própria casa.

Consulte seu médico e veja se este é o seu caso. 

Você encontra mais sobre imunoterapia neste vídeo

Leia mais sobre as rotinas que ajudam a amenizar e evitar os sintomas nesse post.

Dra Márcia Iwashita