Retorno da poliomielite e importância da vacinação: qual a relação?

Compartilhe:

Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on whatsapp

Ainda em 2018 começamos a ouvir sobre isso: o retorno da poliomielite. À época, um surto de sarampo assustava o país, já que a doença havia sido erradicada em 2016.

Por consequência, não foram poucos os veículos de comunicação que começaram a alertar o Brasil sobre o possível retorno de outras doenças também. Nesse mesmo ano, o Ministério da Saúde chegou a emitir um alerta de poliomielite em pelo menos 312 cidades brasileiras.

Atualmente, a preocupação ganhou ainda mais força. Ou seja, mais do que nunca a poliomielite se mostra como uma ameaça ao país.

Como o retorno da poliomielite é possível?

Após décadas causando um número colossal de casos de paralisia infantil, a pólio – como também é conhecida – havia sido erradicada em 1994.

O seu retorno, entretanto, não deveria ser exatamente uma surpresa. Dada a baixa cobertura vacinal para crianças – que está, inclusive, cada vez menor – a volta da doença era só questão de tempo.

A Organização Mundial da Saúde recomenda que, em cada nação, o número de crianças de até 5 anos vacinadas corresponda a 95%. Neste ano, o Brasil conta com apenas 60%. Ou seja, cerca de 700 mil crianças não receberam a vacina.

Desde 2015, essa estatística vem apresentando quedas preocupantes. Agora, alcançamos um nível que, se as crianças não começarem a ser devidamente vacinadas, a poliomielite vai, sim, continuar causando danos em sua saúde. Além disso, mesmo adultos podem sofrer com a doença.

Por que isso acontece?

Quando falamos que uma doença foi erradicada, tendemos a acreditar que ela se foi para sempre. Contudo, para que um vírus ou bactéria não volte a comprometer a nossa saúde, precisamos nos manter imunes a eles. Ou seja, precisamos ser vacinados.

Com a falsa sensação de segurança permanente, muitos pais e mães acabam não levando suas crianças para tomar a vacina. Em resumo, acreditam que não há mais necessidade para tal.

A culpa também mora na falta de conhecimento. Muitas pessoas, afinal, não compreendem a real importância das vacinas e como, exatamente, elas nos mantêm saudáveis.

Como as vacinas protegem uma pessoa?

As vacinas são capazes de erradicar muitas doenças. Basicamente, elas “ensinam” o nosso organismo a reconhecer vírus e bactérias e, também, a forma ideal para detê-los. 

Quanto mais pessoas forem vacinadas, menor a chance do vírus se propagar. Consequentemente, teremos menos pessoas doentes.

Do contrário, se a vacinação não for ampla, o causador da doença circula com mais facilidade. Assim, infecta mais pessoas (e muito mais rápido) e também pode sofrer mutações e evoluções, tornando-se mais forte.

As vacinas da poliomielite, portanto, ainda são importantes pois sempre há o risco da doença voltar. No Brasil, ela foi erradicada. Porém, o resto do mundo foge ao nosso controle. Algumas nações ainda sofrem com surtos de pólio. Basicamente, enquanto o vírus estiver ativo em algum lugar do mundo, há chances de nossas crianças se infectarem também.

Dessa forma, o problema pode voltar a afetar o nosso país através do comércio e do turismo, por exemplo.

Aqui, é importante lembrar que a poliomielite não é a única ameaça. Sarampo, difteria e rubéola também voltar a assombrar o Brasil. Em resumo, não estaremos livres de doença nenhuma se não nos empenharmos em manter nosso calendário de vacinas atualizado.

Tomar uma vacina pode salvar uma vida

A imunização contra a poliomielite – além de outras doenças – pode ser feita através da rede pública ou privada. Nesse artigo, aliás, você pode entender detalhes sobre as diferenças entre cada uma dessas duas opções.

No caso das crianças, há um conjunto de vacinas que é primordial para o seu crescimento saudável. Tríplice Viral e Tetra Viral, por exemplo, são indispensáveis e protegem contra mais de um vírus. A primeira pode ser encontrada na rede pública, enquanto que a segunda deve ser feita através da rede privada.

Não obstante, pais e mães não devem esquecer que muitas das doenças que acometem as crianças podem levar à morte. Ou seja, uma vacina é, sim, capaz de salvar uma vida.

Aqui, você pode ter uma ideia de como seria o mundo se não tivéssemos vacinas. Spoiler: a quantidade de mortes seria absurda e a expectativa de vida humana extremamente baixa. Neste mesmo artigo, também explicamos sobre como as vacinas são feitas e a razão pela qual elas são absolutamente seguras. Se você deseja se vacinar através da rede privada, saiba que pode encontrar todas as vacinas das quais precisa conosco. Além disso, você pode optar ainda por fechar um pacote com a Casa Crescer.

Cuidados

Mesmo com a chegada da vacina da COVID, todos os esforços continuam necessários para que possamos cuidar de nós mesmos e cuidar dos outros.

Por isso, a gente, aqui da Casa Crescer, não pisca na hora de seguir cada protocolo de prevenção.

Não deixe de cuidar da sua saúde e da sua família. Venha em segurança e encontre um ambiente seguro.

Baixe seus ebooks

Posts recentes

Quer saber primeiro?

Assine a nossa newsletter quinzenal e receba dicas sob medida

Outros também leram:

bebe fofo
Todos

O bebê chegou, e agora? – Um guia sobre a vida pós-parto

Se a gestação é como uma viagem, o pós-parto é uma espécie de destino. Ou uma conexão mais longa, que levará mãe, pai e cuidadores para um novo lugar: a vida familiar. Esta jornada – a maternidade e a paternidade – é uma aventura e tanto, eu sei. Para te guiar ao longo dela, trouxe, neste artigo, algumas dicas para te ajudar neste caminho.

Adultos

Depressão pós-parto paterna: isso existe?

Apesar de a depressão pós-parto materna ainda não ser tão popularmente compreendida quanto deveria, é fato que a depressão pós-parto paterna é uma incógnita ainda maior. Muitas pessoas, inclusive, nem sequer sabem que ela existe.

Ainda não conhece a Casa Crescer?

Entre em contato conosco agora.

adultos-perfil