Obesidade infantil

Compartilhe:

Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma em cada 3 crianças, entre 5 e 9 anos, está acima do peso recomendado pela Organização Mundial de Saúde.

A obesidade infantil é, segundo a Organização Mundial de Saúde, um dos problemas de saúde pública mais graves do século XXI, sobretudo nos chamados países em desenvolvimento.

A obesidade está relacionada a uma série de fatores como hábitos alimentares e atividade física, além de fatores biológicos, comportamentais e psicológicos. Não se trata de um problema meramente estético. Além de frequentemente sofrerem “bullying” por parte dos colegas frequentemente, crianças obesas tendem a desenvolver vários problemas de saúde, como diabetes, hipertensão, aterosclerose, dislipidemia, entre outras. O sobrepeso e a obesidade são o quinto fator principal de risco de disfunção no mundo. A cada ano, pelo menos 2,8 milhões de pessoas adultas morrem em consequência do sobrepeso ou da obesidade. 44% dos casos de diabetes, 23% dos casos de cardiopatias isquêmicas e de 7% a 41% dos casos de alguns tipos de câncer são atribuíveis ao sobrepeso e à obesidade.

A OMS entende que a obesidade se tornou uma epidemia.  De acordo com a Organização, crianças obesas e com sobrepeso tendem a se tornar adultos obeso e têm maior probabilidade de adquirir mais cedo doenças não transmissíveis, como diabetes e doenças cardiovasculares. A OMS considera prioritária a prevenção da obesidade infantil

Principais Causas:

Erro alimentar ( excesso de gorduras, frituras, açucares e industrializados e falta de verdura, legume, frutas naturais)
Sedentarismo infantil ( Tablets, games, televisão entre outros eletrônicos ocupam grande parte do dia das crianças atualmente)
Mídia: as propagandas têm grande influência no hábito alimentar das crianças, que passam grande parte do dia em frente à TV e são “massacradas” com informações distorcidas de um produto totalmente inviável para uma criança em crescimento e desenvolvimento.
Desmame precoce ( O aleitamento materno exclusivo até o 6º mês previne a obesidade infantil. Infelizmente, as fórmulas infantis são introduzidas precocemente , diminuindo a “proteção” pelo leite materno.)

Ganho de peso excessivo durante a gestação  está associado à obesidade ou sobrepeso infantil posteriormente.

Por Dra. Renata Scatena – CRM 124.384

Cuidados

Mesmo com a chegada da vacina da COVID, todos os esforços continuam necessários para que possamos cuidar de nós mesmos e cuidar dos outros.

Por isso, a gente, aqui da Casa Crescer, não pisca na hora de seguir cada protocolo de prevenção.

Não deixe de cuidar da sua saúde e da sua família. Venha em segurança e encontre um ambiente seguro.

Baixe seus ebooks

Posts recentes

Quer saber primeiro?

Assine a nossa newsletter quinzenal e receba dicas sob medida

Outros também leram:

bebe fofo
Todos

O bebê chegou, e agora? – Um guia sobre a vida pós-parto

Se a gestação é como uma viagem, o pós-parto é uma espécie de destino. Ou uma conexão mais longa, que levará mãe, pai e cuidadores para um novo lugar: a vida familiar. Esta jornada – a maternidade e a paternidade – é uma aventura e tanto, eu sei. Para te guiar ao longo dela, trouxe, neste artigo, algumas dicas para te ajudar neste caminho.

Adultos

Depressão pós-parto paterna: isso existe?

Apesar de a depressão pós-parto materna ainda não ser tão popularmente compreendida quanto deveria, é fato que a depressão pós-parto paterna é uma incógnita ainda maior. Muitas pessoas, inclusive, nem sequer sabem que ela existe.

Ainda não conhece a Casa Crescer?

Entre em contato conosco agora.

adultos-perfil