Dermatite atópica: tudo o que você precisa saber

Compartilhe:

Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on whatsapp

Muitos já ouviram falar da dermatite atópica, uma doença inflamatória crônica da pele. Ela, aliás, acomete cerca de 230 milhões de indivíduos ao redor do mundo de todas as faixas etárias. Além disso, a maioria tem início na infância.

Só criança desenvolve a Dermatite atópica?

Você sabia que os adultos também podem ter dermatite atópica? Cerca de 3% dos adultos são acometidos pela dermatite atópica enquanto, entre as crianças, a porcentagem é de 30%.

A forma como ela se manifesta varia com a idade. Assim, 45% das crianças iniciaram seus sintomas antes dos 6 meses de vida; 60% antes de 1 ano de idade; e mais de 85% antes dos 5 anos de idade.

Lembrando que quanto mais precoce o início dos sintomas, maior o risco de ter manifestações mais graves e intensas.

Enquanto são lactentes, ou seja, até os 2 anos de idade, ela se apresenta geralmente como bolinhas (pápulas) ou bolhinhas pequenininhas (vesículas) avermelhadas nas bochechas, na testa, ou no couro cabeludo e que coçam bastante.

Crianças maiores já não são como os bebês, que apresentam lesões mais úmidas. Nesses casos, elas geralmente têm sua pele engrossada (liquenificação) em placas ou bolinhas (pápulas), já com mais jeito de doença crônica e acometendo agora as mãos, os pés, os punhos, tornozelos e as regiões dos cotovelos e joelhos.

Já a dermatite atópica do adulto normalmente é aquela que começou a adolescência e continuou na vida adulta. As lesões, por sua vez, são observadas nas áreas de dobras, como dos cotovelos e joelhos, na face, no pescoço, na porção superior dos braços e das costas, no dorso das mãos e dos pés, nos dedos das mãos e dos pés. E a aparência das lesões, aliás, é avermelhada e descamativa, sejam bolinhas ou placas. Na maioria das vezes, com aspecto de lesões crônicas com a pele espessada.

Quem tem maior risco de desenvolver a dermatite atópica?

Diferentemente das outras alergias, que o risco do filho desenvolver independe da manifestação alérgica que os pais apresentam, na dermatite atópica se um dos pais tem também essa doença o filho tem maior risco de apresentar sintomas em idade mais precoce e com maior gravidade. 

E o que pode fazer minha dermatite atópica entrar em crise ou piorar?

As doenças alérgicas no geral têm uma relação muito grande com tudo que aumenta a inflamação no nosso corpo. Mesmo uma infecção em outro local que não tem nada a ver com a nossa pele, como um resfriado, por exemplo. Sabe outros fatores que aumentam a inflamação e podem piorar a pele de quem tem a dermatite atópica? Vejam abaixo:

Stress

Ainda não se sabe qual o mecanismo que leva isso a ocorrer. Contudo, durante períodos de stress, seja ele físico ou emocional, certos marcadores de inflamação aumentam no nosso sangue e estão fortemente relacionados às crises. Também há uma associação muito grande entre distúrbios ansiosos e a dermatite atópica. Porém, ainda não se sabe se são causa ou consequência. Ou seja, se a dermatite, assim como outras doenças crônicas, faz o indivíduo ficar mais ansioso, ou se ele já estava ansioso e a dermatite vem como resultado em alguém geneticamente predisposto.

Alérgenos

Podem estar associados à piora da dermatite. Contudo, assim como o aspecto das lesões muda com a idade, o tipo de alérgeno que desencadeia as crises também muda. Geralmente os lactentes têm maior relação com alergia a certos alimentos, enquanto crianças e adolescentes têm com os alérgenos respiratórios (principalmente os ácaros) e mais tarde, adultos, também com os alérgenos de contato.

Microorganismos

A pele de quem tem a dermatite atópica tem uma flora diferente de quem tem a pele normal. Assim, ela tem uma colonização por bactérias muito maior e, por isso, um risco maior de qualquer machucadinho ficar infeccionado levando a uma exacerbação da dermatite.

Fatores irritantes da pele

Tudo aquilo que tira a umidade da pele ou que quebra a barreira gordurosa de forma intensa como banhos quentes, excesso de banhos ou o uso de sabonetes em excesso.

Existe como prevenir a Dermatite Atópica?

O aleitamento materno é um fator de proteção até os 3 anos de idade para o início precoce da dermatite atópica. Isso quando é oferecido de forma exclusiva por, no mínimo, os 4 primeiros meses de vida. Por consequência, reduz o risco de maior gravidade das lesões. E, por outro lado, a introdução de fórmulas lácteas com proteína do leite integral antes dos 6 meses de vida é um fator de risco para o início precoce e com maior gravidade.

Mas, diferentemente do que vemos para as alergias respiratórias, expor precocemente o bebê a alérgenos respiratórios como ácaros e animais domésticos não é protetor como é para a asma. É, na verdade, um fator de risco para o desenvolvimento da dermatite atópica e para que tenha sintomas mais graves, principalmente para aqueles que têm um (ou ambos) dos pais com dermatite atópica também.
Gostou desse conteúdo? Aqui tem muitos outros para você continuar lendo sobre saúde e uma vida bem vivida. Além disso, se você precisar marcar uma consulta, saiba que você pode fazer isso de forma prática e fácil por aqui.

Texto escrito pela Dra Marcia Toraiwa Iwashita- Médica Alergista e Imunologista da Casa Crescer

Cuidados

Mesmo com a chegada da vacina da COVID, todos os esforços continuam necessários para que possamos cuidar de nós mesmos e cuidar dos outros.

Por isso, a gente, aqui da Casa Crescer, não pisca na hora de seguir cada protocolo de prevenção.

Não deixe de cuidar da sua saúde e da sua família. Venha em segurança e encontre um ambiente seguro.

Baixe seus ebooks

Posts recentes

Quer saber primeiro?

Assine a nossa newsletter quinzenal e receba dicas sob medida

Outros também leram:

bebe fofo
Todos

O bebê chegou, e agora? – Um guia sobre a vida pós-parto

Se a gestação é como uma viagem, o pós-parto é uma espécie de destino. Ou uma conexão mais longa, que levará mãe, pai e cuidadores para um novo lugar: a vida familiar. Esta jornada – a maternidade e a paternidade – é uma aventura e tanto, eu sei. Para te guiar ao longo dela, trouxe, neste artigo, algumas dicas para te ajudar neste caminho.

Adultos

Depressão pós-parto paterna: isso existe?

Apesar de a depressão pós-parto materna ainda não ser tão popularmente compreendida quanto deveria, é fato que a depressão pós-parto paterna é uma incógnita ainda maior. Muitas pessoas, inclusive, nem sequer sabem que ela existe.

Ainda não conhece a Casa Crescer?

Entre em contato conosco agora.

adultos-perfil