O sono dos bebês

2 de fevereiro de 2018 Por Casa Crescer

Dra. Renata Scatena – CRM 124.384

Os problemas de sono na infância são muito comuns e interferem em toda a dinâmica familiar.
As crianças não nascem prontas, elas passam por um processo importantíssimo de desenvolvimento e aprendizado durante os primeiros anos de vida. Aprender a dormir é mais uma das inúmeras conquistas dessa fase tão peculiar e cheia de descobertas. Como em qualquer aprendizado, mais difícil para uns do que para outros, requer dedicação, paciência e persistência para o sucesso do êxito. O mais comum é que os bebês nãodurmam bem desde os primeiros dias de vida. Quando isso acontece trata-se da exceção. Portanto, quase todos precisarão passar por algum processo de aprendizado. Alguns conceitos são muito importantes e podem ajudar os pais e os cuidadores a compreender o que pode estar acontecendo com bebê e conduzir a situação da melhor maneira possível.

Consequências da falta de descanso nas crianças: Choro fácil, irritabilidade, mau humor, falta de atenção, possíveis problemas de crescimento, insegurança, timidez, fracasso escolar, etc

Consequência da falta de descanso nos pais: Insegurança, falta de paciência, irritabilidade, sentimento de culpa, sensação de impotência e fracasso, queda do rendimento no trabalho, cansaço!!!

Entendendo um pouco as diferentes fases do sono:

O que é o Ciclo Circadiano?

Nosso sono é regulado por um relógio interno que os cientistas denominam ciclo circadiano ( período de um dia).
O bebê não nasce com o ciclo circadiano do adulto, necessita de um processo de amadurecimento durante os primeiros meses de vida. A medida que o ciclo biológico amadurece, o bebê atinge um ponto onde passa a maior parte do dia acordado e a maior parte da noite dormindo. A consolidação desse processo ocorrerá por volta dos nove meses, época em que a criança terá maiores horas de sono noturno.
As necessidades de sono na infância mudam com a idade. O sono diurno diminui até os 5 anos quando a maioria das crianças deixa de dormir de dia. A necessidade total de sono a cada 24 horas também diminui com a idade. É importante lembrar que, em qualquer idade, as crianças diferem quanto à quantidade de sono de que precisam para ficar descansadas.

O ciclo do sono: 
As etapas constituintes do estado geral de sono são: o sono REM ( Rapid Eye Moviment) e o sono NÃO REM. Durante o sono REM, a respiração é relativamente rápida e irregular com períodos alternados de movimentação ocular rápida e palpitação das pálpebras. Em contraste, o sono NÃO REM tranquilo é um período de respiração mais lenta, muito regular, com poucos movimentos e sem REM. É este o estado em que o bebê fica tão quieto que os cuidadores chegam mais perto e até tocam delicadamente o bebê para certificar-se de que ele está respirando.

Os ciclos de sono dos adultos (passagem de sono leve para profundo e depois de volta ao sono leve) duram em média 90 minutos. O ciclo dos recém-nascidos é de aproximadamente 50 minutos. Nessa fase, o sono começa com um período inicial de sono REM, e cada ciclo de sono inclui a mesma quantidade de sono REM e NREM. Não há diferenças nas distribuições de sono REM e NREM entre o início e o final da noite . A mudança na organização temporal dos estados de sono no decorrer de uma noite, que se iniciam no segundo mês de vida, reflete a maturação de mecanismos temporais do sistema nervoso central. Isto é, os relógios biológicos amadurecem de forma a regular os mecanismos de controle circadiano. O tempo de transição entre sono profundo e sono leve é um período vulnerável durante o qual muitos bebês irão acordar, que chamamos de despertares noturnos. Se o bebê não acordar, ele permanecerá neste período de sono leve durante os próximos 10 minutos e retorna novamente para o sono profundo.

Aqui entra a importante atuação dos pais : ensinar o bebê a dormir sozinho, fazendo com que ele entre tranquilamente em novo ciclo, sem que necessite da presença dos pais para dormir. É comum o bebê se movimentar, resmungar e até chorar brevemente sem que esteja totalmente acordado. Por isso, é muito importante uma breve PAUSA e OBSERVAÇÃO antes de pegar o bebê no colo e coloca-lo no seio. Será que ele realmente está acordado? Será que ele está pedindo colo? Será que está mesmo com fome? Com pequeno treinamento de observação, em pouco tempo a mãe conseguirá identificar os “sinais” do bebê. Muitas vezes, o choro subsequente ao despertar noturno é uma sinalização de que o bebê pode apenas estar cansado, querendo dormir, mas não sabe como fazê-lo sozinho!. A partir de quando iniciar essa atuação? – Quanto mais precoce maior o êxito!
Esse despertar noturno também integra o ciclo de sono dos adultos porém , como o adulto já sabe dormir sozinho a mudança dos ciclos passa despercebido . Apenas viram de lado, ajeitam-se  na cama, puxam a coberta e caem no sono novamente sem ao menos recordarem-se no dia seguinte.
Ao longo do tempo, com o decréscimo na quantidade total de sono, há uma inversão das quantidades relativas das duas etapas de sono, com redução do sono ativo e uma porcentagem maior de sono tranquilo.

  Acordar durante a noite traz benefícios à sobrevivência!  É a única forma de comunicação dos bebês, sinalizando que precisam de algo. Se o sono fosse profundo em sua totalidade eles não poderiam comunicar suas necessidades e a sobrevivência dessa criança estaria em jogo.

Segundo Dr Sears: “…Pesquisadores do sono  acreditam que bebês dormem de forma mais “inteligente” que os adultos. Eles teorizam que o sono leve ajuda o cérebro a desenvolver-se porque este não descansa durante o sono REM. De fato, o fluxo sanguíneo até o cérebro quase dobra durante o sono REM.  Durante o sono REM o corpo aumenta a sua produção de certas proteínas nervosas, os “tijolos” de construção do cérebro. Acredita-se que a aprendizagem também ocorra durante o estágio ativo de sono. O cérebro pode usar esse momento para processar informações adquiridas enquanto desperto, armazenando o que é benéfico ao indivíduo e descartando o que não é.  É possível que durante o estágio de crescimento rápido do cérebro (o cérebro dos bebês cresce até cerca de 70% do volume adulto durante os primeiros  2 anos), o cérebro precise continuar funcionando durante o sono para desenvolver-se. É interessante  notar que prematuros passam ainda mais tempo do seu sono (aproximadamente 90%) em REM, talvez  para acelerar o crescimento cerebral.  Como se pode ver, o período da vida quando humanos dormem mais e o seu cérebro se desenvolve  mais rapidamente é também aquele em que eles têm o sono mais ativo.”

Algumas considerações também são importantes :
Nos casos de aleitamento materno exclusivo ( só leite do peito, sem água, chá ou leite artificial), as mamadas tendem a ser em intervalos menores pois o leite materno é digerido mais rapidamente que o leite das fórmulas artificiais. Devemos enfatizar que o leite materno é DIGERIDO mais rapidamente por conter as proteínas mais apropriadas para absorção no trato gastrointestinal da espécie humana , porém não é mais fraco como muitos costumam dizer por aí, oK?
Lembrar que nem todo choro é sinal de fome. Com o tempo e com uma rotina bem instalada, fica mais fácil reconhecer os diferentes tipos de choro ( sim, eles existem!) e até para “adivinhar” o motivo do choro do bebê.

É importante que os pais aprendam a fazer uma PAUSA e OBSERVEM os sinais comportamentais do bebê durante o choro antes de atendê-los imediatamente.

Toda a nossa ansiedade é transmitida ao bebê o que influenciará diretamente no seu comportamento.

Outro fator a ser considerado é que todos os bebês são diferentes, alguns precisam de menos e outros de mais horas de sono que outros . O importante é que o sono seja de qualidade para garantir o descanso da criança. Uma criança que não dorme bem tenderá a ficar MUITO MAIS CANSADA e irritanda, afetando negativamente os cochilos noturnos e as sonecas diurnas também, criando assim um ciclo vicioso.

Preciso acordar o meu bebê para as mamadas noturnas?

Geralmente, os recém-nascidos não dormem muitas horas seguidas durante a noite (no máximo 4 -5 horas). Se o peso de alta da maternidade tiver adequado e o ganho de peso nos dias subsequentes também, temos como inferir que está havendo uma ingestão calórica suficiente durante o dia, o que garante um “estoque” para o período noturno. Porém, como cada caso é um caso, o ideal é que o pediatra que acompanha a criança seja questionado.
Também é importante saber que as crianças passam, com uma certa frequência, por “picos de crescimento” onde a necessidade do alimento aumenta durante o dia e a noite também.

Como estabelecer um ritual para a higiene do sono?

* Rotina
É importante, as crianças gostam e precisam de ROTINA.Durante o dia e durante a noite também!

* O quarto da criança deverá ser  ambiente seguro, protegido e tranquilo para o sono. 
A “dica” importante a respeito do quarto da criança é que, independentemente de qual seja o local, deve ser um espaço adequado, confortável e seguro para o sono.
Os cuidadores poderão mostrar essa segurança para as crianças criando momentos agradáveis e tranquilos durante o dia no local em que a criança vai dormir a noite através de atividades prazerosas… Leia, converse, cante… Tente fazer desse momento o mais gostoso possível! A mensagem a ser passada é que a cama/ berço é um lugar agradável!
“Quarto Montessori” é uma peculiaridade bem interessante do método Montessori; propõe um ambiente agradável, seguro e propício ao estímulo para o desenvolvimento da criança e do bebê.

Segue link para maiores detalhes: www.larmontessori.com/category/quarto

É importante que o bebê/ criança durma SEMPRE no mesmo local, tanto nas sonecas do dia quanto no sono noturno. É importante, no processo de aprendizagem, que haja uma identificação com o lugar que é para dormir.

O ambiente deve ser seguro: evitar sofás, superfícies macias e flexível ou lugares que possam, num deslize, levar à queda da criança. O recomendado é que a criança durma com a barriguinha voltada para cima evitando assim a Síndrome da Morte Súbita Infantil ( é a morte súbita e inexplicável em bebês com menos de 1 ano de idade. Apesar da etiologia não estar esclarecida, pesquisadores revelam que evitar a posição de bruços para dormir reduz a sua incidência). O berço deve conter um colchão apropriado, um lençol bem fixo e evitar bichinhos de pelúcia, prendedores de chupetas, travesseiros, protetores de berço, cobertores ou outros ítens que possam sufocar a criança.

Também é importante rodiziar a posição da cabecinha do bebê durante o sono e também nas atividades diurnas, evitando assim a plagiocefalia posicional ( cabecinha torta).

O quarto deve ser confortável (nem muito quente nem muito frio), silencioso e escuro.

A exposição à luz matinal, assim como evitar entrada de luz no início da noite, podem ajudar a ajustar o relógio circadiano para o dia e aumentar a sonolência na hora de dormir ( as sonecas diurnas não devem ser realizadas com quarto na penumbra). Os pais devem também levar em conta outros ruídos noturnos da casa que podem perturbar o sono. Os ruídos podem ser provocados por outros irmãos ou por televisões, computadores, videogames ou música e devem ser minimizados no período noturno.

Cama compartilhada:
Assunto polêmico e muito divergente entre pais, médicos e especialistas em desenvolvimento infantil.

Para alguns pais, dormir junto, a criança e os pais na mesma cama, constitui uma reação aceitável às dificuldades de sono de seus filhos. Dormir junto pode representar uma escolha culturalmente ou socialmente aceitável ou uma reação dos pais as dificuldades de sono da criança. Na maioria dos estudos, o ato de dormir junto está associado a mais interrupções do sono noturno e a mais queixas relativas ao sono, embora a associação entre dormir junto e problemas de sono pareça depender de fatores socioculturais.

Não entrando nessa discussão polêmica e dando enfoque à segurança, o maior problema do métodoé o risco que bebês sejam sufocados ou feridos na cama dos pais, portanto, se a opção da família for fazer uso da cama compartilhada, atenção redobrada no quesito segurança.

* Reconhecer os sinais de sono do seu filho
As crianças dão alguns sinais de que estão com sono, tais como: bocejar, esfregar olhos, perder interesse no ambiente, olhar parado como se ‘hipnotizado’, chorar, puxar cabelos e orelhas e, se não as ajudarmos a adormecer quando os primeiros sinais aparecem ou quando ‘forçamos’ a ficarem acordadas além de suas necessidades biológicas sem uma soneca, elas ficam exaustas, chorosas , irritadas e infelizes.

* Sonecas diurnas.
Após reconhecer os sinais de sono, vá para o ambiente que a criança irá tirar a soneca e comece o ritual ; nesse caso, deverá ser breve para não “passar do ponto”. As sonecas diurnas devem ser diferenciadas das noturnas. Apesar do local ser o mesmo, durante o dia manter a claridade e os ruídos habituais da casa ( com moderação se possível).

* Diferencie o Sono Noturno das Sonecas Diurnas
O ambiente noturno deve ser escuro e silencioso. A noite passar a mensagem que ainda não está na hora de despertar : conversa mais baixa (o ideal é um tom de voz mais monótono), meia luz , troca de fralda somente se necessário.

* Estabelecer ritual de sono diário.
Uma rotina curta e consistente para a hora de dormir, que se modifique ao longo do tempo de acordo com as necessidades de desenvolvimento da criança é importante para a criança iniciar o processo de relaxamento  e fazer a associação de que em breve irá descansar.

Uma boa rotina ajudará a criança fazer a transição para o sono. A rotina deve incluir atividades que acalmem e, idealmente, deve ser realizada no quarto da criança. Poderá ser iniciada de 15 a 30 minutos antes da hora estabelecida para dormir. Crianças mais novas devem ter uma rotina mais curta . É importante que os cuidadores sigam a mesma rotina ( que irá variar conforme a faixa etária.) Quanto mais regular e previsível for a rotina, mais fácil será para a criança se acalmar e “pegar no sono” na hora de dormir. Um dos princípios básicos da higiene do sono é “ter  hora certa e uma rotina para a hora de dormir.”

O ideal é que crianças durmam cedo!

Leitura, banho, massagem pós banho nos pequenininhos e música suave, poderão compor o ritual de sono das criança.

Evitar televisão ou outros aparelhos eletrônicos luminosos que acabam servindo como estimulantes e diminuem a taxa do hormônio melatonina, importante para a indução do sono.

*Apresente um Objeto de transição
Para os maiorzinhos: Alguns bebês se apegam a um paninho “naninha”, ou bichinho que os confortam na hora de dormir
Atenção: O objeto deve ser seguro e apropriado.

* Manter um esquema regular. Na medida do possível, os pais devem tentar.
Manter horários de dormir e de acordar compatíveis durante os sete dias da semana. O horário de dormir será alterado com a idade, mas deve sempre ser estabelecido de forma a permitir uma duração suficiente de sono a cada noite. Mesmo que algumas vezes a criança durma mais tarde, deve ser mantida a mesma hora de acordar, não ultrapassando uma hora mais tarde do que a usual. Embora possa parecer que é melhor “recuperar o sono”, quanto mais regular for o momento de acordar, melhor será o sono. Para crianças mais novas que dormem de dia, é importante manter os horários em um  esquema regular.

* Ensinando a criança a adormecer sozinha
É bem comum que os bebês resmunguem, se movimentem e até chorem durante as mudanças no ciclo do sono. Portanto, uma dica valiosa é sempre fazer uma PAUSA e OBSERVAR antes de tirar o bebê do berço e pegá-lo no colo para embalar ou amamentar. Pode ser que ele não esteja realmente acordado. Pode acontecer da criança permanecer acordada tranquila no berço, sem necessidade da intervenção dos pais nesse momento.

É natural que o recém-nascido durma aninhado e relaxado mamando no seio da mãe. Ambiente aconchegante, quentinho, cheio de amor … Porém, quando o bebê adormece dessa forma, ela começa a associar sugar com adormecer; com o tempo, ele não conseguirá adormecer de outra maneira, afinal de contas, foi assim que ele aprendeu a dormir. Dessa maneira, em todos os despertares noturnos, que falamos anteriormente, ele solicitará o seio ou mamadeira ou chupeta porque precisa de um “indutor do sono” e não porque está com fome.

Se você deseja que seu bebê adormeça sem a sua ajuda é essencial que você o deixe mamar até ficar sonolento e não dormindo. Com a maior frequência possível, retire o peito, a mamadeira ou a chupeta e deixe-o terminar de adormecer sem nada na boca. Obviamente o bebê que já está acostumado com outra forma de dormir, vai chorar nas primeiras tentativas. Devolva o seio/ chupeta ou mamadeira e tente novamente alguns minutinhos depois. Trata-se de um aprendizado a longo prazo, portanto, requer paciência, persistência e dedicação. Quanto mais cedo melhor. Depois dos 4 meses de vida, geralmente o hábito de sono já está consolidado ( com vícios adquiridos) o que tornará o processo mais lento.

Um bebê deve ser colocado no berço sonolento, mas ainda acordado. O ponto ideal para colocar o bebê no berço é um intermediário entre o totalmente acordado e o dormindo, momento em que a criança está “pescando” . Se a criança estava acostumada a dormir embalada, no colo, no carrinho em movimento, no carro ou em qualquer outro lugar que os pais inventaram para que a criança dormisse (e nessas horas haja imaginação , não é?), ela também vai estranhar no começo e chorar e daí vem a famosa frase:
-“ Parece que o berço tem espinho”!

Lembre-se, trata-se de um aprendizado a longo prazo, requer paciência, persistência e dedicação para colher os frutos. Se a criança chorar, e ela vai chorar, pegue-a no colo , acalme-a e tente novamente ( na maioria das vezes são necessárias várias tentativas). Se já tentou algumas vezes e percebe que a criança está ficando irritada, faça a dormir da forma habitual e coloque tudo em prática novamente na próxima vez. Mas não desista! Se a criança estiver apenas resmungando tente mantê-la no berço e tranquiliza-la com alguma cantiga, ou toque no bumbum, ou algum som monótono (shiiiiii shiiiiii) ….

As vezes , diante do cansaço, os pais/ cuidadores desistem e voltam a ninar a criança da forma que já estão habituados, voltando a estaca zero. Não é infrequente, porém, estarão deixando de ensinar e de deixa-las aprenderem a arte de dormir sozinhos

Estimulando atividades diurnas que ajudam a criança a dormir à noite.
O sono da criança pode ser afetado de forma positiva ou negativa pelas atividades diurnas.

Por exemplo, exercícios podem ser positivos ou negativos, dependendo da relação entre o momento em que ocorrem e a hora de dormir. Exercícios durante o dia ajudam a criança a dormir melhor à noite. O momento ideal para fazer exercício é no início do dia, uma vez que exercícios estimulantes perto da hora de dormir podem causar insônia de adormecimento. É preferível que exercícios ou outras atividades muito estimulantes terminem duas a três horas antes do horário de dormir.

*Cuidados com a alimentação
Se a criança ingere alimentos ou bebidas cafeinadas como por exemplo, chocolate, café, chá, refrigerantes à tarde ou no início da noite, o efeito da cafeína permanece no corpo por de 3 a 5 horas, podendo chegar a 12 horas. Algumas crianças dormem melhor se esses produtos forem completamente excluídos de sua dieta.

Uma criança que dorme bem é uma criança que se desenvolve melhor !

E os pais agradecem.