Principais diferenças entre vacinas do SUS e da rede privada

16 de maio de 2020 Por Casa Crescer

Vacinação é um assunto muito sério e importante, por isso falamos tanto sobre isso. Neste artigo vou explicar para você as principais diferenças entre as vacinas do SUS e da rede privada.

 

Vamos relembrar porque devemos vacinar:

 

A vacina é uma maneira muito segura e necessária para prevenir doenças. Não é importante apenas para as crianças, os adultos também devem seguir o calendário de vacinação.

 

Antes mesmo do bebê nascer, os pais já devem estar cientes que fazer vacina será parte da rotina mensal.

Se você quer saber de todas as vacinas que o bebê deve tomar até os 18 meses, clique aqui.

 

Durante esse período, podem surgir dúvidas sobre onde realizar a imunização da criança para cumprir com o Programa Nacional de Imunizações, afinal, as vacinas são oferecidas em postos de saúde e clínicas privadas.

 

Quais são as principais diferenças entre vacinas do SUS e da rede privada?

 

Antes de falar das diferenças, uma semelhança: ambas são aprovadas pela Anvisa, ou seja, são seguras.

Uma das diferenças entre vacinas do SUS e da rede privada é a cobertura oferecida pelas vacinas das clínicas. Confira algumas comparações:

Penta x Hexavalente

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM) preconiza a imunização dos bebês aos dois, quatro e seis meses contra seis doenças graves: difteria, tétano, coqueluche, poliomielite, hepatite B e meningite.

 

No SUS, as crianças recebem a vacina pentavalente + hepatite B, ou seja, duas picadas. Já na rede privada, a vacina é a hexavalente, que protege da mesma forma, no entanto, com apenas uma picadinha.

 

Outro ponto relevante é quanto à composição da vacina: a oferecida pela rede pública é feita com partes inteiras do vírus e bactérias das quais protege. A das clínicas privadas, por sua vez, é acelular, que garante menos reações, apesar de apresentar a mesma eficácia.

 

Rotavírus

Nas clínicas particulares é oferecida a vacina oral pentavalente (VR5) que tem mais cobertura de proteção que a vacina oral monovalente (VRH1) ofertada pelo SUS.

 

Meningocócica C e ACWY

Existem duas vacinas que previnem a meningite C no país. A meningocócica C conjugada é oferecida pelo SUS e protege contra a bactéria Neisseria meningitidis do grupo C.

 

Enquanto que a meningocócica conjugada ACWY é quadrivalente, o que significa que protege contra os meningococos dos grupos A, W e Y.

 

Meningite B

A imunização contra a meningite B é oferecida apenas pela rede particular de saúde no Brasil e é recomendada pela SBIm e pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), pois protege contra a doença causadora da inflamação das meninges, membranas que envolvem o cérebro e medula espinhal.

 

Agora que você já sabe das principais diferenças entre vacinas do SUS e da rede privada, clique aqui para agendar as vacinas da família!

Quer saber mais sobre nosso trabalho voltado à saúde integral da família? Siga acompanhando a Casa Crescer ou entre em contato com a gente.

síndrome de burnout como identificar os sintomas