Cólicas nos bebês

2 de fevereiro de 2018 Por Casa Crescer

Será que o meu bebê está com cólica? Como posso ajudá-lo?

Essas perguntas são  frequentes no consultório de pediatria e concordo com vocês, nada mais angustiante do que ver  aquele bebê tão pequenino, que acabou de chegar ao mundo , chorando de forma  INCONSOLÁVEL!
A primeira importante dica, principalmente às mamães e papais de primeira viagem  é  saber  que a única forma dos bebês se comunicarem é através do choro. Pensar que no ventre materno, tudo o que eles precisavam, para crescer e se desenvolver, chegava  facilmente através do cordão umbilical  ( oxigênio e alimentos). Eles  estavam em um ambiente ideal:  Temperatura agradável, sons agradáveis ( que delícia ouvir apenas as batidas ritmadas do coração e voz  da mamãe), nada de barulho, de cheiro esquisito, de  vozes “estranhas” , de fralda suja, nada de sentir frio ou calor, muito menos fome… gases então,…o que é isso?
Pensando no contexto  do nascimento do bebê e as dificuldades que ele passa, podemos entender melhor porque existem as cólicas. Para muitos autores esse período é conhecido como exterogestação ou quarto trimestre, justamente por ser um período de adaptação, tanto do bebê quanto dos seus familiares.

Afinal o que é a cólica?
A cólica nada mais é do que uma condição de estresse significativo do bebê sob a forma de choro!  A cólica se caracteriza por acontecer sempre no mesmo horário do dia, geralmente no final da tarde ou por volta da meia noite e tem duração aproximada de 3 horas. O rostinho do bebê fica bem vermelho, os punhos cerrados e ele mexe bastante as perninhas. É um choro INCONSOLÁVEL, que demonstra que o bebê está com muita dor. Nada acalma o bebê!    Sim, é desesperador!
A cólica geralmente começa em torno da segunda semana de vida e costuma passar por volta dos 3 meses de idade . Alguém se identificou com esse cenário? Calma, respire fundo… Vai passar! Ter calma é a segunda importante dica  para saber lidar com essa angustiante situação!

Por que a cólica ocorre?
Uma somatória de fatores: O sistema nervoso do bebê  é extremamente sensível ao mínimo estímulo do ambiente ( por isso a importância da calma de quem tiver com o bebê no momento da cólica!)
Além disso, o bebê começa a receber o alimento através de um  intestino imaturo. Lembra que comentei anteriormente? No útero o alimento chegava prontinho pelo cordão umbilical. As contrações intestinais  chamadas peristaltismo ainda estão desorganizadas, o que pode provocar desconforto e dor.
Quais os alimentos devem ser evitados pelas mamães que estão amamentando?
Não existe nenhum estudo científico que comprove que determinado alimento tenha relação direta com cólicas nos bebês. Porém, existem alguns alimentos que causam desconforto nas mamães, nesse caso esses alimentos devem ser evitados. O ideal é que a mamãe que amamenta tenha uma dieta equilibrada, com alimentos naturais, não condimentado ou industrializados. Ou seja, uma alimentação saudável!

IMPORTANTE:
A cólica, na grande maioria das vezes é  uma condição benigna e auto limitada. Caso haja alguma anormalidade, o pediatra deverá ser consultado .
Sinais de alerta para que as mamães procurem imediatamente o pediatra:
Febre ( acima de 37,8ºC aferida com termômetro axilar)
Sonolência  ou irritabilidade excessiva
Gemência
Bebês que não tenham uma mamada tranquila ( “brigam” com o seio arqueando as costas para trás)
Bebês que não ganham peso adequadamente
Choro constante, durante o dia todo!
Outros  sintomas associados: sangramento nas fezes, vômito em jato, regurgitação excessiva com baixo ganho pôndero-estatural

O que fazer na hora da cólica?
Primeiramente, manter a CALMA! Respirar  fundo!  Entrar em desespero só vai piorar a situação.
Como a cólica costuma ocorrer sempre no mesmo horário, uns 30 minutos antes do seu início, leve o bebê para um local tranquilo da casa e com pouca luminosidade. Coloque uma música clássica,  sons da natureza ou qualquer ruído branco. Cante para o seu bebê, deixe ele no seu colo sentindo o calor do seu corpo. Nesse momento que antecede a cólica, um banho de imersão em água morna costuma ajudar, deixando o bebê mais relaxado.

No momento da cólica as medidas que costumam aliviar o desconforto são: bolsinha de água morna na barriguinha do bebê ( cuidado com temperaturas excessivas . Evite queimadura! ), “ginástica” com as perninhas do bebê, massagem na barriguinha no sentido horário. Uma posição que costuma  deixá-los melhor acomodados  é de bruços no braço da mamãe ou papai, de modo que a mão de quem segura possa fazer massagem na barriga do bebê  delicadamente.

Uma outra dica importante é que os cuidadores se revezem durante o período da  cólica. Assim que começarem a ficar  estressados com a situação peça que o outro cuidador assuma o posto. Lembrem-se: os bebês são como esponjas dos nossos sentimentos. Se percebem o estresse do cuidador a situação só tende a piorar criando um ciclo vicioso …

O vídeo abaixo é bem interessante e acredito que ajude papais e mamães a conduzirem de uma forma menos “dolorida” a situação.